Osteopatia / Terapia Manual

A osteopatia deriva das palavras gregas (osteon) osso e (pathos) doença. A sua origem data do século XIX a partir da investigação do médico norte-americano Andrew Taylor Still, que em 1874, estabelece a relação entre a alteração estrutural (músculo-esquelética) e o resto do corpo como elemento chave na saúde.
Arte, ciência e filosofia, a Osteopatia se baseia no preceito de que o corpo é capaz de criar seus próprios instrumentos de restauração.
As mãos são o utensílio de análise e de tratamento do profissional, que aplica seus conhecimentos profundos em anatomia e fisiologia para cuidar das disfunções de mobilidade dos diversos tecidos do corpo.

Os procedimentos respeitam o princípio da unidade e da globalidade do ser, a relação entre estrutura e função e a capacidade de autocura do corpo humano.
Com sua abordagem, o osteopata busca devolver ao corpo funcionalidade e equilíbrio, permitindo ao paciente uma melhor qualidade de vida.

A Osteopatia é uma ciência terapêutica baseada na biomecânica de corpo. Trata-se de um processo de diagnóstico e Terapias Manuais das disfunções de mobilidade articular e teciduais, em geral no quadro da sua participação no aparecimento das doenças. Daí que a lesão de uma articulação seja uma composição de todas as variações de lesões individuais ou conjuntas. São ocasionadas por um fator, mecânico ou não, que causa ou predispõe à doença. De fato, a filosofia e princípios osteopáticos permitem a todos os níveis o cuidado na saúde, na prevenção e tratamento das doenças.

A Osteopatia reconhece que o Sistema Neuro-Músculo-Esquelético é importante e crucial na expressão total da vida, dado que o sistema neuromuscular está intimamente ligado a todos os outros sistemas do nosso corpo através do Sistema Nervoso; daí que, em Osteopatia, estrutura e função estejam intimamente ligadas. Uma anormalidade na estrutura do nosso corpo pode levar a uma disfunção que tanto se pode manifestar localmente como distante da estrutura lesada.
Para corrigir as lesões mecânicas o osteopata aplica manipulações terapêuticas que devem ser suaves e controladas. Estas manipulações podem ser dirigidas no sentido das articulações, músculos ou fáscias, ou serem orientadas para a circulação, drenagem linfática e restabelecimento dos impulsos nervosos. A alma da Osteopatia é o reconhecimento da capacidade que o corpo humano tem para se regenerar, com alguma ajuda externa para muitas patologias.
A Osteopatia é um conjunto de terapias manuais que corrigem os efeitos perversos vindos da estrutura óssea. O tratamento requer um exame aprofundado do paciente e um diagnóstico cuidado que vai terminar no ato terapêutico osteopático.

A disfunção dos tecidos moles pode alterar o movimento articular e diminuir a eficácia da mobilização-alongamento da articulação. É por isso que o tratamento frequentemente começa com o procedimento visando diminuir a dor e o espasmo muscular ou aumentar a mobilidade dos tecidos moles. Esses procedimentos auxiliares podem também tornar mais fácil a realização da mobilização das articulações, produzindo um efeito mais duradouro.
O tratamento para melhorar a circulação e, portanto, para elevar as temperaturas dos tecidos moles é também útil para as mobilizações. O modo mais efetivo para “aquecer” os tecidos moles é o exercício. Outras modalidades passivas também poderão ajudar.
As mobilizações articulares restauram e mantêm o funcionamento normal e indolor em articulações com hipomobilidade reversível e podem retardar a hipomobilidade articular progressiva.